terça-feira, 26 de março de 2013

É absurdamente eu.


Fiz um teste de personalidade e confesso que inicialmente não levei tão a sério pensando ser só mais um, por já ter feitos outros testes que não me surpreendiam tanto no resultado, me enganei bonito. O modo como o teste é feito é de uma inteligência admirável, você realmente se coloca em teste, se analisa e passa a responder da maneira mais sincera possível, porque é assim que deve ser. Enquanto lia o meu resultado não sabia se ria ou se chorava com tamanha identificação. Na verdade eu ri e quase chorei, pois o teste praticamente me descreveu melhor do que eu poderia fazer em anos de vida conhecendo-me. Bem, não vou continuar relatando quando vocês mesmos podem tirar a prova, então aqui está o link do teste: http://inspiira.org/ Faça-o com calma, leve o tempo que precisar e se conheça melhor. Agora deixo o resultado do meu teste, não sei se alguém irá ler essa imensidão toda, mas caso queira me conhecer melhor do que eu poderia tentar explicar, é bom que tome fôlego e leia até o fim.

INFP - O Idealista.

Seu modo principal de viver é focado internamente, lidando com as coisas de acordo com a maneira com que você se sente quanto a elas, ou de acordo com a maneira com que elas se encaixam no seu sistema de valores pessoais. Seu modo secundário é exterior, através do qual você absorve fatos principalmente através da sua intuição.

Você, mais do que outras pessoas que são intuitivas e que dão mais ouvidos aos sentimentos do que à razão pura, é focado em fazer do mundo um lugar melhor para as pessoas. Sua primeira meta é encontrar o seu significado na vida, perguntando coisas do tipo: “Pra quê eu existo? Qual é o meu propósito? De que maneira eu posso melhor servir a humanidade durante a minha vida?” Você é uma pessoa idealista e perfeccionista, e se esforça ao extremo para atingir os objetivos que identificou para si mesmo.

Você é muito intuitivo sobre as pessoas. Você conta totalmente na sua intuição para te guiar, e usa suas descobertas para buscar constantemente o valor da vida. Você está numa missão contínua para encontrar a verdade e o significado das coisas. Cada interação e cada pedaço de sabedoria adquirida é filtrada pelo seu sistema de valores, e avaliada para ver se existe algum potencial para lhe ajudar a definir ou refinar mais ainda seu próprio caminho na vida. A meta final é sempre a mesma – você se esforça para ajudar as pessoas e para fazer do mundo um lugar melhor.

Em geral, uma pessoa gentil e de muita consideração, você é um bom ouvinte e deixa as pessoas à vontade. Mesmo que reservado ao expressar suas emoções, você se importa demais com os outros, e é genuinamente interessado em entender as pessoas. Esta sinceridade é percebida pelos outros, fazendo de você um amigo especial, e em que se pode confiar. Você geralmente é muito caloroso com as pessoas que você conhece bem.

Você odeia conflitos, e faz o que puder para evitá-los. Se você precisa encará-los, será sempre utilizando a perspectiva dos seus sentimentos. Em situações de conflito, você dá pouca importância para quem está certo e quem está errado. Você presta atenção à maneira com que você se sente quanto ao conflito, e não se importa muito se seus sentimentos estão ou não corretos. Você simplesmente não quer se sentir mal. Essa característica às vezes faz com que você aparente ser uma pessoa irracional e ilógica em situações de conflito. Por outro lado, você faria um ótimo papel de mediador, e tem facilidade de resolver os conflitos dos outros, porque você entende intuitivamente as perspectivas e os sentimentos das pessoas, e quer genuinamente ajudá-las.

Você é flexível e despreocupado, até que um de seus valores seja violado. Assim, se seu sistema de valores está sendo ameaçado, você pode se tornar agressivo, lutando com muita garra e paixão por sua causa. Quando você começa um projeto no qual se interessa, é muito comum que este se torne uma “causa” para você. Apesar de você não ser uma pessoa focada em detalhes, você cobrir cada detalhe necessário com vigor e determinação, enquanto lutando por essa sua causa.

Quanto a detalhes mundanos da vida (como lavar, limpar, passar, etc), você praticamente não está ciente deles. Você pode passar meses sem perceber as manchas no carpete, mas você cuidadosamente e meticulosamente remove aquele filetinho de poeira que caiu em cima do seu caderno de projetos.

Você não gosta de ter que lidar com fatos concretos e com lógica. Seu enfoque pessoal nos seus sentimentos e na condição humana torna difícil que você lide com decisões impessoais. Você não compreende nem acredita na validade de uma decisão que não leva as pessoas em consideração, fazendo de você uma péssima pessoa para tomar esse tipo de atitude. Você provavelmente evitará análises impessoais, apesar de poder desenvolver esta capacidade, e de conseguir ser bastante lógico. Sob estresse, é comum que você utilize a lógica de uma maneira errada quando, por exemplo, num momento de raiva, em que você cita fato após fato (e geralmente não completamente corretos) em uma explosão emocional.

Você tem padrões altíssimos e é um perfeccionista. Conseqüentemente, você é muito duro consigo mesmo, e não dá muito valor às suas conquistas. Você pode acabar tendo problemas na hora de trabalhar em um projeto em grupo, pois seus critérios e padrões tendem a ser bem mais altos do que os do resto do grupo. Nessas situações, você pode ter um problema de “controle”. Você precisa tentar equilibrar seus ideais com suas necessidades do dia-a-dia. Sem resolver este conflito, você nunca ficará feliz consigo mesmo, e pode ficar confuso e paralisado quanto ao que fazer de sua vida.

Pessoas como você geralmente são escritores talentosos. Você pode se sentir esquisito e desconfortável em se expressar verbalmente, mas você tem uma capacidade maravilhosa de definir e de expressar no papel o que você está sentindo. Você também gosta de participar de profissões de cunho social, como na área de aconselhamento ou de educação. Você se encontra o mais confortável e feliz possível quando trabalha pelo bem das pessoas, e onde você não precisa usar lógica intensamente.

Se você desenvolver suas potencialidades você poderá realizar feitos maravilhosos, apesar de que provavelmente você nunca irá reconhecê-los como tais. E lembre-se: algumas das pessoas que mais causaram desenvolvimentos humanísticos no mundo foram pessoas como você.

(Quase chorei com esse final).

quarta-feira, 20 de março de 2013

Depósito do que sei sobre a minha personalidade.


Estranha igual a dona. Não sei defini-la ou dizer com toda a certeza desse mundo-moinho que a minha personalidade é assim ou assada. Parece que varia de acordo com o clima que faz, com o humor que possuo no momento ou com o estado de espírito. P'ra terem ideia de como ela é, de momento eu diria que sou frágil sentimentalmente e é isso, com o tempo, me torna forte como sinto que sou hoje. Tenho uma calma de maracujá que se transforma em preguiça de vez em quando, tenho uma timidez exacerbada pra certas coisas e consigo me detestar muito por isso, sou sincera e escondo a verdade quando posso dizer uma mentira boba só para não prejudicar e proteger alguém que gosto, sou amorosa mas só vim descobrir isso depois que me apaixonei e fico pior principalmente quando estou embriagada, costumo ser bem paciente tanto que olho a vida passar por mim e não pego carona porque acho que passarei dessa p'ruma melhor, não consigo ser simpática nem se me pagassem uma bebida, não sou completamente bondosa porque isso é algo que tento ser e falhas acontecem, amo gatos e isso conta?
Mas, em resumo, acho que o meu batom vermelho com um sorriso de canto falaria melhor por mim.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Por favor, primeiro os dramas.


Ultimamente os dias andam silenciosos - tirando o barulho desagradável da vizinhança, é só aqui dentro da minha vida mesmo. E o único som que me agrada lá fora e que me faz companhia todos os dias, é o canto dos pássaros. As tardes, ora quentes, ora chuvosas, se arrastam me levando junto com elas, como se o meu estado deixasse de ser estático e caminhasse não sei para onde. Deixo. Não faço nada do que gostaria e quase choro enquanto observo um belo fim de tarde escapando dos meus dedos, dá um aperto no coração desperdiçar dias assim. Já faz algum tempo que perdi a reação, o desgaste por coisa nenhuma conseguiu fazer com que eu começasse a definhar. Sou visivelmente perturbada pela realidade, não consigo enfrentá-la, queria deixar de ser essa covarde que possui sonhos tão bem guardados que nem os encontra mais. Acho que parei no tempo. É como se eu estivesse dando voltas e mais voltas e parando no mesmo lugar, por mais que o meu esforço é querer me mover, algo impede o impulso e faz com que eu afunde cada vez mais. De resto, venho tendo dias ruins com pausas para a leveza, e por mais palavras pesadas que eu use, nem tudo é tão árduo ou sério quanto parece. Eu sou leve considerando o peso que carrego na minha carcaça, e quando encontro formas de escapar, sinto que a única e verdadeira liberdade de espírito é saber aproveitar até os momentos do seu aprisionamento dentro de si. Ontem de ontem fui feliz, mas hoje eu não sei mais se sou ou, se na verdade, nem sei ser.