quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Adjetivar-se.


Seca como as folhas que caem do topo da árvore.
Chorosa igual a uma chuva passageira e forte de verão.
Azeda feito o leite amanhecido deixado fora da geladeira.

Amarga como o gosto da decepção.
Frustrante igual a uma expectativa não alcançada.
Desligada feito um botão onde basta relar para explodir.

Entediante como uma tarde de Domingo.
Perdida igual a um caminho sem direção, sem eira nem beira.
Dramática feito o teatro que nunca fiz e a comédia que nunca fui.

Ainda assim sou momentaneamente feliz quando ouço pássaros cantando livres antes de amanhecer, enquanto me prontifico para ir dormir. E quando deito me pergunto em que ponto tudo está errado, se o peso da culpa é somente meu ou se fui eu que virei do avesso e o mundo do inverso.

2 comentários:

  1. A gente em um adjetivo pra tudo e para todos os dias, lindo e inteligênte.

    ResponderExcluir
  2. É tanta leveza por aqui... Me permito ficar.

    ResponderExcluir