quinta-feira, 13 de junho de 2013

Fiz sem respirar.


Eu morro um pouco a cada ida
O dia de hoje não faz sentido
Uma de minhas partes com vida
Se foi sem levar de mim um pingo

As minhas esperanças são caras
Tenho calmarias passageiras
Dentro de mim só piso em brasas
E partes minhas já foram inteiras.

2 comentários:

  1. Belo poema! Li sem respeirar... =)
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Também li sem respirar.
    E tais palavras chegaram em mim como um sopro de vida.

    ResponderExcluir